Dicas para uma segmentação de mercado arrasadora em sua campanha

Conheça as vantagens da Publicidade Nativa e promova o seu negócio!
22 de setembro de 2016
Essays and its altering aspects of significance with modernization
4 de outubro de 2016

Não importa o tamanho da sua verba de marketing. Segmentação de mercado é item básico para qualquer estratégia. Ou seja, é preciso definir quais serão os públicos prioritários da campanha e, claro, como eles serão trabalhados.

No caso das estratégias digitais, essa regra torna-se ainda mais crucial, porque as ações pressupõem uma abordagem mais personalizada. Afinal, temos como mapear melhor nosso público para entender suas demandas.

No post de hoje, você vai conhecer algumas dicas básicas para chegar a uma segmentação de mercado arrasadora para sua campanha. Acompanhe!

O que você precisa saber antes de segmentar

Antes de detalharmos como podemos desenvolver uma eficiente estratégia de segmentação, é importante reforçarmos alguns conceitos.

Primeiro, a necessidade de termos boas bases de dados para trabalharmos. Hoje há muita informação disponível, mas lembre-se de que só interessam as que chegam de fontes confiáveis.

Segundo, a importância de reunirmos o maior volume possível de informações sobre a nossa base de clientes. Nesse caso, tenha em mente a possibilidade de empregar algumas estratégias para obter os dados necessários. É uma boa pedida, por exemplo, oferecer materiais ricos (como vídeo-aulas, tutorias e e-books) para o consumidor em troca de informações básicas.

O que você precisa saber para segmentar sua base de clientes

Em linhas gerais, o mercado trabalha basicamente com três grandes tipos de segmentação: demográfica, psicográfica e comportamental. Vamos entender melhor cada uma delas:

1. Demográfica

A demográfica é a mais básica e determina a divisão do público a partir de dados como sexo, idade, localização geográfica, ocupação profissional, nível de escolaridade etc.

Como se pode deduzir, é praticamente impossível realizar qualquer estratégia sem levar essas informações em conta, uma vez que elas são fundamentais para definir o tipo de abordagem a ser adotada. Afinal, uma campanha de vídeo para jovens deve empregar uma linguagem completamente diferente da usada num material dirigido para pessoas acima de 40 anos, por exemplo.

Ocupação profissional também faz muita diferença. Com essa informação as marcas podem, com facilidade, direcionar sua mensagem de forma personalizada, abordando, por exemplo, temas específicos da atividade da pessoa, o que pode elevar seu grau de engajamento com a campanha.

2. Psicográfica

Em um tratamento mais sofisticado dos dados chegamos à segmentação psicográfica. Nesse caso, o objetivo é definir alguns grupos de consumidores levando em consideração estilos de vida e de personalidade.

Quem trabalha com vídeos costuma considerar esses dados para definir a linguagem que será empregada na mensagem e também seu conteúdo. Mas detectar que a marca tem afinidade com o público aventureiro, por exemplo, pode abrir também novas oportunidades de relacionamento, com o emprego de canais que poderiam ser deixados de lado  se não tivéssemos essa informação.

3. Comportamental

A segmentação comportamental envolve, basicamente, o conhecimento sobre as preferências do público. Para trabalhá-la é preciso ter acesso a estudos que nos ajudem a mapear seus hábitos de consumo e principais interesses.

No ambiente digital é possível focarmos esse tipo de análise na questão social, identificando as redes sociais de preferência do grupo, seus interesses, amigos e até mesmo seu comportamento online.

Esse tipo de dado é relevante, por exemplo, para orientar projetos de otimização de sites ou blogs, uma vez que vamos considerar a experiência do usuário para aprimorar a relação mantida com a marca naquele ambiente.

O que você ganha com uma boa segmentação

Além das vantagens já indicadas, é importante ter em mente que a segmentação será decisiva no caso de algumas ações, como as de publicidade nativa. O objetivo aqui é chegar ao público de uma forma diferenciada, mas o primeiro passo é conseguir abordar a pessoa correta, no momento certo. Como fazer isso sem conhecer o perfil do público? Entender do que ele gosta, os locais que frequenta?

Uma boa ação de marketing de conteúdo também depende desse trabalho. Afinal, como ser útil para o consumidor sem entender exatamente o que ele está buscando no meu canal?

Quer saber mais sobre segmentação de mercado? Acompanhe nossas postagens nas nossas redes sociais!

 

Baixe o ebook guia completo sobre publicidade nativa

Victor Freitas
Marketing e Growth da YContent.com.br